Pular para o conteúdo principal

Postagens

O LOUCO

Fotografia: Fernanda Matos O Louco, Da corte, o bobo, Vivia Da venda de alegria. Para o rei e a rainha rirem, Inventava coisa engraçada, Tirando sarro da vida desgraçada, Da miséria do povo pobre, Da mentira de todo nobre. O Louco, Como um ser oco, Fantasiava-se de palhaço, Sem nenhum embaraço. Fazia piadas Das tristes histórias humanas, De perdas desumanas, De quedas desastrosas, De surpresas horrorosas. O Louco, Longe de ser bobo, Sabia Da hipocrisia Do rei, da rainha e da nobreza, Que lhe compravam gargalhadas, Com moedas roubadas, Do populacho taxado Por impostos inadequados. O Louco, Longe de ser oco, Era um mascarado, Um justiceiro disfarçado. Suas graças eram apontamentos Dos aspectos mundanos, Das contradições do sagrado e do profano. Eram gritos silenciosos Dos seus próprios ferimentos dolorosos. Porque o Louco, Do povaréu nada bobo, Vendia reflexões, Diretamente aos patrõ
Postagens recentes

Resumidas Impressões do filme: O LEITOR

O Leitor   (no original em   inglês ,   The Reader ) é um   filme   teuto - americano   de   2008 , do gênero   drama , dirigido por   Stephen Daldry   e baseado no   romance   Der Vorleser , de 1995, do escritor alemão   Bernhard Schlink . A adaptação para o cinema foi feita pelo roteirista   David Hare . O elenco une desde atores experientes, como   Kate Winslet   e   Ralph Fiennes , a jovens como   David Kross . O filme conta a história de Michael Berg, um estudante alemão que, no ano de 1958, mantém um caso com uma mulher mais velha, Hanna Schmitz, até que ela subitamente desaparece de sua vida para ressurgir oito anos mais tarde, no banco dos réus de um tribunal alemão, acusada de ter trabalhado para a   SS   durante a   Segunda Guerra Mundial   e de ser uma das responsáveis pela morte de dezenas de   judeus   em diferentes momentos da guerra. Michael percebe que Hanna guarda um segredo que acredita ser pior que seu passado   nazista , um segredo que pode ser crucial para a

Resumidas Impressões do livro: Leite Derramado, Chico Buarque

Chico está sempre doce e atraentemente me embriagando com seu jogo de palavras e de imagens que mesclam uma realidade concreta com outra (não menos real, porém abstrata) simbolicamente afetiva.  Leite Derramado é tão dinâmico e líquido, que o posso sentir escorregando por entre os meus dedos folheadores de páginas e histórias; ou entre meus peitos amamentadores de filho e lembranças; ou dentro de minha boca e alma sedenta por um leite materno que não mamei, apesar da mamadeira (leite de outra espécie) que tão bem minha mãe me ofertou. O livro é do tipo de leite que vejo claramente derramar pela boca de um corpo velho, de uma alma eterna, deitado a minha frente, que baba histórias entrelaçadas numa ordem cronológica misteriosamente característica da sua própria velhice, mais que isso, do seu íntimo ser... um leite que ora derrama em abundância gotas de sangue rancor, ora goteja gotas do elixir da vida e do amor, mesmo que em seu leite, leito de morte... Percebo em pessoas e e